É que esse ano escrever foi questão de sanidade

How I met your mother começou através da Mariana - e eu sempre continuei a assistir (mesmo as terríveis últimas temporadas) porque, apesar da tradição eterna de “não gostar” do protagonista, ali estava eu em tudo de mais patético e desestruturado que eu tenho. O Ted.

É maravilhoso que ele (e a mãe) tenham tido mais de um relacionamento significativo mesmo e que uma coisa não anule a outra e que eles tenham perdido um tempo se divertindo com gente errada que, no seu erro, cumpriu o papel certo. Era uma história de amor cronologicamente confusa, umas coisas se ligavam com outras, várias ficaram soltas pelo caminho, nem tudo tinha uma razão ou um arco dramático que se fechasse a partir de uma tragédia - de vez em quando a vida simplesmente bota pra fuder. A arte também. Nunca vou saber o que era consciente e inconsciente na estruturação narrativa dessa série, mas

Essa cena curtinha, simples, tão bem escrita que dá até pra esquecer a música enjoadíssima tocando ao fundo - essa cena, esse reconhecimento (que aconteceu anos atrás com a Robin, mas o tempo tava errado), esse reconhecimento mútuo, isso me leva às lágrimas por uma identificação e projeção infantis, bobas e, bem, minhas muito minhas.

Abençoado seja a pessoa que pensou a frase “it’s funny how sometimes you find things.”

As tardes longuíssimas da infância, que prenunciavam um voo - em pleno voo.

As tardes longuíssimas da infância, que prenunciavam um voo - em pleno voo.

MUITA ANIMAÇÃO

MUITA ANIMAÇÃO

opisthocoelicaudia:

godblessoursluts:

flappypussyz:

My coffee image

How the hell are you supposed to know how much coffee is left if the cup isn’t see through ???

image

YEP

(Source: standbys)

vlws flws

vlws flws

i12bent:

George Tooker (Aug. 5, 1920 - 2011): Doors, 1953 - egg tempera

i12bent:

George Tooker (Aug. 5, 1920 - 2011): Doors, 1953 - egg tempera

Desnecessário dizer que: a arte que mais me representa é a tv

Desnecessário dizer que: a arte que mais me representa é a tv